DEBATES DE PRAÇAS

Esse espaço é dedicado a todos que lutam no dia-dia para manter com o sacrifícil da própria vida essa nação, mesmo não reconhecidos pelos esforços concedidos e da marcha em busca dos direitos que lhes são negados.

Parnaíba PI

5.8.08

QUARTÉIS ABANDONADOS


O AUMENTO DO CRIME NOS ÚLTIMOS TEMPOS ESTAR CAUSANDO REAÇÕES EM VÁRIOS SETORES DA SOCIEDADE, COMO DEVE SER, MUITAS INSTITUIÇÕES SE POSICIONAM SOBRE O ASSUNTO E EMITE PONTOS DE VISTA DIVERSOS, UM DESSES PONTOS DE VISTA QUE SE CONSOLIDOU, INCLUSIVE, JÁ VIROU CHAVÃO É A IDÉIA DE QUE A SOLUÇÃO DA SEGURANÇA PÚBLICA ESTAR CONDICIONADA AO MÁXIMO POSSÍVEL DE POLICIAIS NAS RUAS.

É um ponto de vista equivocado, apesar de justo para a população que não sabe mais o que fazer, mas esse sentimento transformou-se na exigência principal atual, difundido pela mídia e para complicar os secretários de segurança e os comandantes que se sucedem tentam cumprir a risca esse apelo, sem nenhum estudo ou plano estratégico, e esvaziaram os quartéis para atender ao pedido do povo, que exigem “mais policiais nas ruas”.

A tentativa de solucionar o problema, nesse sentido, gerou outro tão grave quanto o primeiro. Conseqüência disso, hoje nos quartéis da Polícia Militar do Piauí, praticamente não existe mais a guarda do quartel, tão necessária quanto os homens nas ruas, pois quem não estar preparado para fazer sua própria segurança, como pode fazer dos outros? Cito como exemplo o 2º BPM da cidade de Parnaíba onde a guarda se resume em quatro homens, contando com o graduado cmt da guarda, os quais também são usados no serviço de ordenança e missões diversas que por diversas vezes tem que sair das instalações do quartel, até para fazer mandado particular de oficiais, sem falar que não existe nenhum treinamento para o caso de uma emergência. Isso estar acontecendo, há muito tempo, em todos os batalhões e companhias em todo o Estado do Piauí. Tanto na capital como no interior as instalações da Polícia Militar estão desprotegidas com a quase total falta de segurança interna o que torna a instituição frágil para fazer a segurança da sociedade, porque suas bases estão desprotegidas, isso demonstra a falta de planejamento, sem contar o risco iminente que passam os profissionais que trabalham internamente nos serviços burocráticos da corporação. Não é a toa que isso é um problema muito maior do que se pensa, pois há casos terríveis de invasão de quartéis, no Estado do Piauí, por quadrilhas armadas, inclusive com morte de oficial, mesmo assim não alertou a cúpula da Polícia Militar para esse problema.

A insegurança não é exclusividade do cidadão comum, os próprios policiais também estão à mercê do mesmo problema por falta de decisões estratégicas de quem comanda a segurança pública. “AVANTEBRASIL”.



“O BOM PROFISSIONAL MALTRATADO É UM PROFISSIONAL INSATISFEIT”.

Um comentário:

soldadopi disse...

companheiro, postei esse artigo no soldadopi. ok?