DEBATES DE PRAÇAS

Esse espaço é dedicado a todos que lutam no dia-dia para manter com o sacrifícil da própria vida essa nação, mesmo não reconhecidos pelos esforços concedidos e da marcha em busca dos direitos que lhes são negados.

Parnaíba PI

23.5.08

OS PRAÇAS E OS DIREITOS HUMANOS

Depois de ter assistido uma palestra sobre direitos humanos e a Polícia Militar, tive a seguinte conclusão:

A melhor maneira de abordagem, para com os praças das Polícias Militares, quanto aos direitos humanos, que tanto são cobrados no dia-dia, seria oferecendo a esses profissionais, em primeiro lugar, o direito de exercer esse direito, em vez de apenas considerarem violadores, que precisam ser orientados. Direito que sequer faz parte do seu universo institucional prático em se tratando da relação do Estado para com estes. O verdadeiro mestre é aquele que ensina vivenciar o conhecimento que transmite. Estão querendo usar os praças da Polícia Milita apenas como ponte de transmissão de direitos humanos, do Estado para com a sociedade, e lhe negam o direito de usufruir desse direito.

Os praças são uma categoria de profissionais, que fazem parte de uma instituição pública, dentro de uma democracia, com uma função social definida por lei, totalmente voltada para o público, no geral, no entanto são considerados veladamente, pelo Estado, pessoas que não deve ter os mesmos direitos, daqueles para os quais são obrigados fazer valer. Não tem direito sequer de reclamar seus direitos. Isso é incrível, mas é assim que parece pelo menos estar indo nessa direção, que o nosso querido Brasil quer garantir a democracia usando policiais oprimidos dentro dos quartéis, para serem fiscais das leis.

Os praças estão amarrados, amordaçados e vedados, e isso estar acobertado pela aparência maquiada do militarismo, para parecer normal dentro do regime e justo para quem ver de fora.

Os praças das Polícias Militares, no fundo são defensores, sim, de direitos humanos, porque também são humanos, e como todo ser humano, tem sentimentos que precisam ser cuidados. Todo homem pode influenciar e ser influenciável e vive de acordo com o ambiente que habita. Foi sempre assim e ainda é no comportamento social, humano.

Agora uma pergunta que não quer calar. Por que os ativistas se preocupam tanto para fazer dos policiais militares, praças, que não tem sequer direitos de reclamar seus direitos, defensores dos direitos humanos, enquanto não tem preocupação nenhuma da situação que esses vivem como vítimas do desrespeito humano, dentro dos quartéis. Será um erro de estratégia, ou isso pode ser um sintoma dos tempos da ditadura, quando os Policiais Militares eram vistos como autoritários e toda a sociedade vivia numa só situação de opressão, determinado pelo Estado, e a ficha ainda não caiu?

Os policiais militares, praças, querem sim, serem defensores de direitos humanos, mas também querem ser respeitados, como os que são obrigados respeitar. Isso não é uma condição consciente de uma classe, e sim, uma situação humana que para ser cumprida precisa das condições psicosociais adequadas para funcionar corretamente, dentro do tecido social, que obedece a regras naturais de comportamento sociológico.

Exigir direitos humanos sim, mas quando e de quem tem seus direitos respeitados. Quem não tem, precisa primeiro tê-lo, para que a partir de si mesmo possa ter uma visão do que lhe é cobrado. Enquanto os praças das Polícias Militares não tiverem seus direitos humanos respeitados essas palavras soarão estranhas nos seus ouvidos. “AVANTE BRASIL”.


"O BOM PROFISSIONAL MALTRATADO É UM PROFISSIONAL INSATISFEIT".

5 comentários:

CB Mônica disse...

Realmente um texto muito bom. Nos dão aulas de DH e não respeitam isso dentro da PM, somos obrigados a praticar uma coisa que não temos o direito de exigir. Mais ou menos por aí...

soldadopi disse...

De certa forma, acredito que esta situação é culpa da gente. quando se conversa esses assuntos no circulo de praças ainda tem aqueles que insistem em dizer pra se "acostumar" que são só 35 anos. Acredito também que a mudança já começou, devagar mas ja começou, principalmente pela corrente dos blogs policiais. Vamos continuar. Até quando vamos continuar com essa mesma garra? Que bom que ela é renovada todos os dias com a criação de novos blogs e assim vai... Nós venceremos... ABRAÇOS AMIGOS. SOLDADOPI

COTURNO CARIOCA disse...

OS SERVIDORES PÚBLICOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO não vão mais aceitar a DEMAGOGIA e o DESRESPEITO a quem vem dando SANGUE e a VIDA pelo ESTADO!


Chega de PAPO FURADO!

Diante do DEBOCHE e DESRESPEITO aos Servidores Públicos Estaduais, cristalizado pela habitual CONVERSA PARA BOI DORMIR dos políticos do PMDB, não nos resta outra alternativa do que partir para a luta.

E que a POPULAÇÃO e a IMPRENSA, tão ávidos em criticar a quem trabalha, sangra, vive e morre pela Segurança Pública, não se surpreenda porque a CULPA é e sempre será do Governador.

União, Força e Honra!

(Grupo PCERJ)
MOVIMENTO UNIFICADO DOS SERVIDORES

Já está marcado um Ato Público para o dia 19 de Junho às 10hs na porta da ALERJ.

Pracinha disse...

Excelente artigo. Obrigado pelo Link!

sérgio disse...

http://www.youtube.com/watch?v=njESqa6H7Ko